top of page

JÚLIO CÉSAR

"A gente já vive o que não acredita"

_____________________________________________________

_____________________________________________________

NO INVOCAÇÕES: Com retratos de pessoas negras sorrindo e demonstrando alegria, as fotografias de Júlio César ganharam espaço na exibição "Identidade" e na Curadoria da Sangria, com "Eu Sou Preto, Nego Véio". Agora ele busca, para além de seus registros, fomentar o debate sobre a presença do negro em meio ao âmbito artístico. 

Entre conversas sobre a representatividade negra em meio a fotografia e os diferentes objetivos de um registro, o Invocações desta semana apresenta uma conversa que busca entender se é necessário, realmente, fazer fotografias de tudo - até mesmo daquilo que você não gosta/quer.

_____________________________________________________

MANHATTAN - HOST.png

MANHATTAN, HOST: Artista que utiliza a fotografia como sua principal ferramenta de comunicação e fundador da Agência Sangria.

Florianópolis, SC. 

13 - JÚLIO CÉSAR.png

JÚLIO CÉSAR, CONVIDADO: Fotojornalista e Retratista. Autor do projeto "Identidade".

São Paulo, SP.

SOBRE JÚLIO CÉSAR

_____________________________________________________

QUOTE.png

A gente já vive

o que não acredita!

QUOTE.png
raizes-22.jpg

Júlio César quer entender por que a fotografia, quando registrando negros, apenas mostra racismo, disparidades sociais, tristezas e incongruências. Para ele a fotografia não deve ser segregada, destinada ou originada, ela deve ser de todos e para todos. Por este motivo decidiu subverter-se ao que a mídia, e os mais variados campos artísticos oferecem, e começou a registrar o seu cotidiano através dos dentes. Dos sorrisos.

Imprimir-13.jpg

Com retratos, em sua maioria coloridos de preto e branco, que mostram o sorriso das bocas e dos olhos, Júlio César quer mostrar a todos que o seu povo sofre racismo, sofre preconceito e é maltrato por isso, mas que não é um povo triste e que baixa a cabeça. Ele quer representar a sua comunidade e os seus pares com dignidade, com a coragem e bravura que carregam de seus ancestrais e disseminam nos tempos atuais. Esta é a mensagem que ele quer passar e que anseia ser compreendida.

aa-3.jpg

Neste episódio do Invocações, o Retratista brasileiro explica as diferenças que encontrou enquanto fotógrafo por parte da grande mídia, de oportunidades e de preconceito, mas ressalta que isso faz parte e que cabe a todos nós trabalharmos para que isso melhore, pois o que importa para nós não é isso. O que importa é a fotografia e o que fazemos com ela. Ele relata que esta ganhando destaque por fazer algo básico, o retrato de pessoas negras sorrindo, mas que ao mesmo tempo, ninguém nunca antes fez.

Julio.jpg
zxc.jpg

Em debates recheados de posicionamentos políticos, Júlio César abre espaço também para criticar a fotografia no âmbito do próprio registro. Para ele, registrar tudo significa repetir fotografias, repetir debates e não inovar, apenas disseminar o que já foi anteriormente proposto.

MAIS NA SANGRIA

_____________________________________________________

CITADO NO PROGRAMA:

Leia mais sobre: Angústia, Sangria e Lens Culture 2016.

CURADORIA:

1/5

1/5

1/5

ESPECIAL:

1/5

1/5

E-MAIL:

• Entre em contato conosco para interagir com este episódio do Invocações, com suas opiniões, críticas e sugestões, através do e-mail contato@agenciasangria.com

OUTRAS INVOCAÇÕES

_____________________________________________________

12 - GABRIEL BIANCHINI 2.jpg

INVOCAÇÕES COM GABRIEL BIANCHINI

"Conhecendo o Brasil profundo".

1 hora e 15 minutos • 04 de Novembro de 2021 

1 - TUANE FERNANDES.jpg

INVOCAÇÕES COM ANA CAROLINA FERNANDES

"Conhecendo o Brasil profundo".

1 hora e 15 minutos • 28 de Outubro de 2021 

10 - DRAGO 2.jpg

INVOCAÇÕES COM VICTOR DRAGO

"Conhecendo o Brasil profundo".

1 hora e 15 minutos • 21 de Outurbro de 2021 

Noite dos tambores - 09-11-16.jpg
bottom of page