top of page

MINHAS ESQUINAS

MAIS SOMBRIAS

_______________________________________________________________________

GabrielLourenço.png

05.04.2021

facebook.png
twitter.png

_______________________________________________________________________

Me lembro da primeira vez que aconteceu.

 

Era 30 de maio de 2015 e o nome dele era Rodrigo. Pediu cinco reais para cada uma das revistas pornô. “Era um achado”, dizia ele. Eu nem queria fazer a foto, para falar a verdade. Estava lá porque era um trabalho da faculdade - cobrir os hipsters do Sexta-Jazz bebendo vinho ruim e pagando pouco. Mas naquele momento estava fotografando outra pessoa e ela disse para o viciado:  “Levo todas por dez, mas só se tu aparecer na foto também.”

QUOTE.png

O caminho das minhas esquinas mais sombrias custou dez reais. Um preço baixo pela intimidade de um viciado, se você for ver bem.

QUOTE.png
Minhas Esquinas Mais Sombrias (17).jpg
Minhas Esquinas Mais Sombrias (7).jpg

O viciado disse que, pela seca da pedra, faria meu amigo e eu por dez reais. Naquela noite eu achei que tinha visto a verdadeira face da sociedade, e ela era feia. A Rua - com o R maiúsculo, porque é assim que damos nome a deuses é o avesso das calçadas. Não é como uma divindade de poder metafórico. É como um rio, imenso em sua indiferença para estender as mãos aos afogados. 

Em 2016 eu tinha um coração partido e a sensação de que era muito ingênuo para continuar vivendo daquela maneira. Eu necessitava ver a vida como ela é. E porque eu tinha um coração partido e uma inexplicável sensação de que a dor dos outros me daria humildade, eu paguei ela pelas fotos. Um preço baixo para ver a vida como ela é, se você for ver bem.

Minhas Esquinas Mais Sombrias (12).jpg
Minhas Esquinas Mais Sombrias (11).jpg
Minhas Esquinas Mais Sombrias (10).jpg

O que me impediu de enveredar adiante, para esse caminho cru e bruto da sociedade, não foram os pesadelos, ou o assalto no terminal velho de Florianópolis, os impulsos suicidas ou as longas sessões de  terapia contra depressão. Não, o que me tirou das minhas esquinas mais sombrias foram meus estranhos amigos.

Trabalhar à noite diminuiu a quantidade de sorrisos que eu recebia por dia e aniquilou os que eu retribuía. Sorrir doía os músculos. Mas não quando Jair, o professor, me agradecia jurando que eu era dono de um futuro brilhante, ou que Ligeirinho, entre o vício e a esperança, me exibia os esburacados dentes risonhos, porque gostava da minha companhia. 

Minhas Esquinas Mais Sombrias (6).jpg

Meus estranhos amigos ensinaram que muito da Rua era ruim porque eu queria que ela fosse assim - logo, eu só via isso. Amigos que somem quando o dinheiro vem e a fissura bate, você nunca sabe se voltam. Tudo o que precisei foi perder amigos para o desconhecido. Um preço alto para ver que não sei nada da vida.

Minhas Esquinas Mais Sombrias (18).jpg
Minhas Esquinas Mais Sombrias (3).jpg
Minhas Esquinas Mais Sombrias (4).jpg

Há um limite do quanto é real na dor dessas fotos. Quando você passa tempo demais fotografando o que você não gostaria, fica difícil separar o que é ruim porque é e o que é ruim porque você quer que seja.

Não voltarei a fotografar a Rua até que isso entre em equilíbrio. Não enquanto não aprender a fotografar as coisas por outra via. Uma que não seja a do ódio puro. Acho que preciso aprender a amar antes de clicar outra vez, e isso talvez leve tempo.

QUOTE.png

Até lá, ainda ouço os ventos nas minhas esquinas mais sombrias. Eles uivam alto quando a noite cai.

QUOTE.png
Minhas Esquinas Mais Sombrias (13).jpg
SANGRIA.png
bottom of page