top of page

DONA NENÊ

_______________________________________________________________________

círculo-perfil.png

10.05.2021

facebook.png
twitter.png

_______________________________________________________________________

QUOTE.png

Ela me acolheu, como faz com qualquer um

que bata na porta dela, sem muitas perguntas.

QUOTE.png

Conheço a Dona Nenê desde a infância, nós frequentamos a mesma igreja e morávamos à uma quadra de distância, ela estava presente em vários momentos da minha vida. Minha mãe é madrinha de Vagner, um dos seus filhos, e ela sempre me falou da Dona Nenê com admiração, com uma certa referência de fortaleza.

.jpg

Moradora de uma vila vizinha à casa onde cresci, o Vale da Merda - um lugar esquecido em Itaboraí, no Rio de Janeiro - sua casa é a primeira, o cartão de visitas da comunidade. O lugar recebe esse nome em homenagem ao valão que passa próximo da vila, quando chove ele enche e o esgoto invade as casas.

É ela quem cumprimenta quem chega e deseja um bom dia de trabalho para quem sai. Cidade pequena têm disso, algumas pessoas são como entidades e a história delas atravessam o seu cotidiano. Nessa série conto o dia a dia de Dona Nenê, sua interação com a família, principalmente com os netos, porque sempre admirei seu cuidado com eles. 

DSC_5463.jpg
DSC_3988.jpg
.jpg

Matriarca de uma família grande, tão grande que abrange até quem não compartilha o seu sangue. Com a sabedoria adquirida pelas dores da vida, criou seus filhos, e hoje divide o tempo de seus dias e o espaço de sua casa com seus netos, bichos e com quem mais chegar através da porta que fica sempre aberta.

DSC_4694.jpg
DSC_5022.jpg

Na casa moram seu marido, seu filho Vagner, e seus dois netos, Kauan e Kauê. O marido trabalha em uma fazenda e geralmente não está em casa nas minhas visitas. Tenho apenas uma foto dele com Dona Nenê e seu neto. Algumas fotografias que tirei, revelei e dei de presente para ela - uma dela com os netos hoje faz parte da decoração da casa.

DSC_4960.jpg
DSC_4059.jpg
DSC_4132.jpg
QUOTE.png

Ela é extremamente amorosa, mas não perde a dureza no olhar de quem está sempre preocupada em prover pelos seus. 

QUOTE.png

A casa está sempre cheia e Dona Nenê gosta disso. Gosta de ter seus netos sempre à vista, de conversar, de ter um café fresco para dar as visitas, gosta dos retratos na parede, das imagens dos santos. Suas memórias passam muito pelos netos, tudo que ela faz é por eles e por amor à eles. Uma mulher extremamente sábia que me ensinou muito sobre a vida em nossos cafés. 

gabriel-1.JPG
gabriel-2.JPG
DSC_3677.jpg

Fotografar a família de Dona Nenê foi um aprendizado, todos os dias sentávamos à mesa e tomávamos um café - era uma troca onde só eu ganhava. Ela abria a sua casa para que eu fotografasse o seu dia e de todos que a rodeavam, e em troca eu me sentava em sua mesa pra que ela me ensinasse sobre a vida. Apesar das dificuldades, nunca fez uma reclamação, nem quando faltava comida na mesa.

DSC_4828.jpg

Certo dia ela fez um comentário “Choveu por esses dias, o valão encheu e os mosquitos vieram” então eu disse “Nossa, que merda, a senhora deve estar toda picada”, depois de uma longa tragada em seu cigarro ela me olhou e respondeu “Eles também precisam se alimentar”.

 

Nesse dia eu tive a certeza da minha pequenez, essas fotos são uma carta de agradecimento ao universo por ter posto essa Orixá em vida no meu caminho.

.jpg
SANGRIA.png
bottom of page